maio 18, 2017

[Livros] A Cruz de Fogo - Parte I - Diana Gabaldon (Outlander #7)

Título Original:The Fiery Cross #6
Autor: Diana Gabaldon
Editora: Arqueiro
Páginas: 720
Gênero: Ficção, Romance Histórico
País: EUA
ISBN: 9788580416602
Classificação: ★

_______________

A Cruz de Fogo (parte I) é o quinto volume da série Outlander, no entanto, o sétimo livro físico publicado da série (por conta do tamanho, alguns deles foram divididos em duas partes) e nos leva às colônias inglesas na América no século XXVIII. Diana Gabaldon resgata a história da origem dos Estados Unidos e nos traz um ponto de vista único sobre a independência americana. 

Nesta primeira parte, os personagens que conhecemos tão bem se preparam para a revolução que está por vir. Jamie Fraser recebe a função de liderar uma milícia em favor da Coroa, evitando que revoluções pela independência venham a tomar força. No entanto, com a perspectiva do futuro que Claire lhe trouxe, ele sabe que deverá mudar de lado e se posicionar contra a Inglaterra nesta batalha. 

Enquanto o futuro se escreve bem à sua frente, Claire, Brianna e Roger que vieram de lá enfrentam os dilemas paradoxais de tentarem manter tudo no seu curso certo, sem alterar nada para que a história não seja afetada. É um dos livros mais lentos e, sinceramente, o mais prolixo - como se isso fosse possível para Diana Gabaldon - da série até agora. O ritmo desacelerado possivelmente antecede uma grande reviravolta que acontecerá em sua continuação, mas desanima a leitura e fez com que eu ficasse semanas presa nos acontecimentos de um só dia.

A vida na Cordilheira dos Frasers segue pacata - até demais - e, sob pontos de vista alternados, temos uma compreensão ampla das dificuldades que os protagonistas enfrentam para sobreviver e se adequar à época. Brianna e Roger se tornaram tão significativos quanto Claire e Jamie, mas sua falta de personalidade em um trama nada impactante trouxe pouco ou quase nenhum significado.

Em mais de setecentas páginas, A Cruz de Fogo (parte I) nos posiciona e nos prepara para grandes e decisivos acontecimentos em um ritmo bem diferente de seus antecessores. Alguns mistérios permanecem sem solução e o misticismo característico da trama ainda se faz presente nas tradições ancestrais. A maturidade de Jamie e Claire também se torna evidente, diminuindo bruscamente o ritmo de suas aventuras, mas jamais o seu amor. Mesmo que seja o livro mais fraco da série até o momento, Gabaldon ainda é uma exímia contadora de histórias e as mistura a História com perfeição. 

"Nenhum de nós falou, não queríamos perturbar aquela quietude. Era como estar na extremidade de um pião, pensei - um turbilhão de coisas e pessoas rodopiando a toda volta, e um passo em uma direção ou outra nos lançaria de novo naquele furor giratório, mas ali, bem no centro, havia paz." (p. 34)

Sinopse: O ano é 1771. Na Carolina do Norte, conserva-se a duras penas um frágil equilíbrio entre a aristocracia colonial e os esforçados pioneiros. E entre esses dois lados prestes a entrar em conflito está Jamie Fraser, um homem de honra exilado de sua amada Escócia. Convocado a liderar uma milícia para conter as insurgências, ele sabe que quebrar o juramento que fez à Coroa inglesa o tornará um traidor, mas mantê-lo será a certeza de sua ruína.

A guerra se aproxima, garantiu-lhe sua esposa, Claire Randall. E, mesmo não querendo acreditar nesse triste futuro, Jamie Fraser está ciente de que não pode ignorar o conhecimento que só uma viajante do tempo poderia ter. Afinal, a visão única de Claire já os colocou em risco, mas também lhes trouxe salvação.

A Cruz de Fogo é uma envolvente história sobre o empenho de Jamie em proteger sua família, construir uma comunidade e manter suas terras às vésperas de um conflito histórico. Nesses esforços, ele é ajudado por sua mulher, sua filha Brianna e seu genro Roger MacKenzie, que nasceram no século XX e agora tentam se adaptar à tortuosa vida do século XVIII.

"- Pensando bem - acrescentou ele, interessado -, esta noite poderia ser o elo. Quer dizer, a ocasião em que o costume do Velho Mundo é trazido para o Novo. Não seria interessante? 
- Interessante - Brianna concordou desanimada. (...)
- Tudo começa em algum lugar, Bree - disse ele, mais delicadamente. - Na maior parte das vezes, não sabemos onde nem como; importa se soubermos dessa vez?" (p. 319)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...