janeiro 14, 2015

[Livros] Proibido - Tabitha Suzuma

Título Original: Forbidden
Autor: Tabitha Suzuma
Editora: Valentina
Páginas: 304
Gênero: Romance, Ficção, Drama
País: Reino Unido
ISBN: 9788565859363
Classificação★★★★★
_______________

Devastador. É a única palavra que chega perto de explicar o que eu senti ao finalizar essa, que foi a melhor leitura da minha vida. Sério, a melhor de todas. Proibido de Tabitha Suzuma é mais do que simplesmente polêmico, controverso e apaixonante. Com uma narrativa em primeira pessoa forte, repleta de questionamentos e extremamente consistente, a autora conduz o leitor à uma experiência única e arrebatadora. Essa resenha, com certeza, não conseguirá transmitir tudo o que eu gostaria de compartilhar com vocês. Espero que eu encontre as palavras adequadas e que eu não recomece a chorar enquanto a escrevo.

Abordando o tema 'incesto', a trama de Tabitha Suzuma é chocante propositalmente. A intenção do livro é questionar nossos próprios valores perante à sociedade. Convenções arcaicas, que nunca foram ao menos, questionadas, vigoram até hoje. No caso do incesto que é o tema central do livro, a relação de amor que os irmãos desenvolvem é muito mais pura do que muitos relacionamentos considerados 'normais'. Mas tudo o que as pessoas conseguem ver é o quanto isso é doentio, nojento e errado. Tabitha nos leva questionar: Por que o amor é errado? Quem disse que é errado? Desde sempre fomos condicionados a pensar que relações incestuosas são relações pecaminosas, desgraçadas e sujas, mas você já pensou sobre isso? Se não pensou, após a leitura desse livro sua opinião vai mudar.

Suzuma quer instigar o leitor e para isso, ela aborda uma história cruel. Os irmãos Whiteley tiveram o azar de serem filhos de dois irresponsáveis. O pai, se casou e foi embora com uma nova família e a mãe é uma alcoólatra vagabunda que vive enfiada na casa de um homem casado. O fato de que os filhos foram indesejados pelos pais é exposto a todo momento e isso só faz com que todos eles se sintam desprezados e indignos de serem amados. Os mais velhos, Maya e Lochan, acabaram assumindo a responsabilidade pela criação e educação dos três irmãos menores: Kit, Tiffin e Willa.

Em meio à loucura de tomar conta da casa, dos irmãos, da escola e de si mesmos, os dois foram obrigados a crescer cedo demais. O peso nos ombros dos dois é muito maior do que qualquer adolescente suportaria e eles se escoram um no outro para seguir em frente e manter a família unida. Se a polícia suspeitar da situação irregular em que eles vivem, todos seriam mandados para lares adotivos e separados. Lochan e Maya são a cola que mantém a família unida, eles cuidam dos irmãos como se eles fossem seus próprios filhos.

O abandono familiar é um tema forte e foi extremamente bem abordado pela autora. As atitudes mesquinhas e egoístas da mãe, mostram como ela se arrepende de ter tido filhos e como ela desconta neles sua raiva por estar envelhecendo. Exaustos, cansados e frustrados os dois irmãos mais velhos precisam lidar ainda com seus próprios problemas: Lochan sofre de fobia social, não fala com os outros. Por conta disso, ele sofre com as humilhações dos colegas e aguenta calado tudo o que a vida impõe à ele. Desde o fardo que é sua própria família, até o fardo que é sua própria vida. Maya, por sua vez, tenta parecer sempre alegre e faz o possível para que os irmãos menores não percebam o quanto ela é infeliz. Por dentro, ela está sempre se desapontando por não conseguir ser uma boa 'mãe' para os irmãos.

Lochan e Maya não se enxergam como irmãos porque nunca lhes foi permitido viver como irmãos. Desde que se entendem por gente, eles são os responsáveis pela família. A cumplicidade e amizade que os dois têm é algo raro e aos poucos o carinho fraterno que sentem um pelo outro, evolui para um amor considerado impróprio. Enquanto a sociedade recrimina os sentimentos dos dois, eles vivem o dilema de nunca poderem revelar o que sentem. Além do medo de serem descobertos, eles também sentem que estão fazendo algo errado e isso só aumenta o peso que eles carregam dia após dia. A consciência pesada, a exaustão e um amor abafado pelo simples acaso de eles terem nascido irmãos começa a acabar com eles pouco a pouco.

A personalidade única de cada um dos Whiteley foi descrita impecavelmente pela autora. Willa é uma graça de criança, a menorzinha, é o xodó de todos e traz alegria à família que parece estar sempre desmoronando. Tiffin é um pequeno sonhador, o doce garotinho também encanta por sua espontaneidade e mesmo vivendo uma vida injusta, tanto ele quanto Willa são os únicos na família que parecem ser felizes. Kit é o irmão do meio, aos treze anos ele passa pela adolescência como quem passa por um furacão. Revoltado, indignado e cansado de receber ordens dos irmãos mais velhos, ele faz o possível para tirá-los do sério e é um personagem que, apesar de ter todo o direito de se revoltar por sua vida difícil, conquistou o meu ódio eterno. Eu nunca odiei alguém tanto quanto odeio Kit Whiteley. Suas atitudes egoístas e mesquinhas se assemelham às da mãe, à quem ele tanto recrimina. Um moleque imaturo, inconsequente e que não merece os irmãos que tem.

A relação de Maya e Lochan vai aos poucos ficando mais séria e eles precisam ser ainda mais cautelosos para esconder o que eles gostariam de poder gritar ao mundo. Entre confissões às escondidas e beijos roubados, os irmãos aproveitam os fugazes momentos de felicidade e se refugiam um no outro. Mas o mundo não está preparado para uma quebra de valores tão forte e o amor que sentem um pelo outro pode significar a ruína dos dois. 

Dizer que esse foi o melhor livro que eu já li na vida não é o bastante. Essa história esmigalhou meu coração e chega a doer só de pensar. Eu demorei horas para parar de chorar e soluçar pois o livro me deixou em frangalhos. Falar sobre o livro ainda me deixa um nó na garganta e essa foi definitivamente a minha resenha mais desafiadora. Um amor proibido tão lindo, puro e sincero que não merece esse mundo doentio em que vivemos. Maya e Lochan permanecerão no meu coração enquanto ele continuar batendo.

"Não posso me permitir pensar no que significa. Não quero pensar no nome que dão a isso. Eu me recuso a permitir que um rótulo estrague o dia mais feliz da minha vida. O dia em que beijei o homem que sempre abracei em meus sonhos, mas nunca me permiti ver. O dia em que parei de mentir para mim mesma, parei de fingir que era apenas um tipo de amor que sentia por ele, quando na realidade eram todos os tipos possíveis e imagináveis de amor. O dia em que finalmente nos libertamos das nossas amarras e demos vazão aos sentimentos que havíamos negado por tanto tempo, apenas porque por acaso somos irmão e irmã." (p. 131)

Sinopse: Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.

Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã.

Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia?

Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.

"- Nos ainda podemos nos amar. - Engulo em seco para aliviar o aperto na garganta. - Não há leis nem limites para sentimentos. Nós podemos nos amar tanto e tão profundamente quanto quisermos. E ninguém, Maya, ninguém vai poder jamais tirar isso de nós." (p. 186)

19 comentários:

  1. Chocante, realmente chocante. Profundamente de boca perda, queixo caído e não sei mais definir. Gente, incesto é um tema que repercute há muitos anos e que nunca deixou de ser um sucesso.
    Adorei a resenha e fiquei ansiosa para ler o livro.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Mari.

    Eu não li esse livro todo de apenas uma vez. Eu cheguei a um momento na leitura que não consegui continuar. Faltando 40 páginas para o final eu simplesmente larguei o livro e fui arejar minha cabeça. Era muita coisa pra processar se é que você me entende. A autora criou um livro arrebatador que por mais que fomos criados falando que incesto é errado eu torcia por Maya e Lochan a todo o momento. Queria que eles desfrutassem esse amor deles que para os outros parecia tão errado enquanto pra eles era a coisa certa a fazer, se deixar aproveitar o momento. Carpe Diem. <3 Não posso falar muito. Ontem eu assisti o vídeo que postou. Sou totalmente a favor de tudo que disse. Ain, ainda quero ler mais livros da Tabitha.

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Sorteio Fim de ano

    ResponderExcluir
  3. Mari! ♥
    Apenas uma coisa a dizer: RESENHA PERFEITA!!!!
    Não bastasse o tanto que eu chorei quando terminei de ler, no sábado, e quando escrevi a resenha ontem, chorei de novo agora.
    Você simplesmente conseguiu transmitir tudo que eu também senti ao ler o livro (por sinal a ressaca literária ainda continua).
    Livro perfeito!
    Beijos

    Li
    literalizandosonhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. É realmente chocante. É um tema que pode fazer uma abordagem bem profunda e a autora questionar os valores inseridos na sociedade é muito interessante.Eu adorei a resenha e quero muito ler o livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Vi vário blogueiros dizendo o mesmo, que não conseguiam colocar tudo o que sentiram ao ler o livro na resenha.
    Não estou preparada pra Proibido acabar comigo assim como acabou com vários. O que mais me chamou a atenção foi o fato dele tratar de problemas familiares.
    Amei a resenha! Bjs <3

    ResponderExcluir
  6. Li poucas resenhas sobre esse livro e até então não sabia o que esperar. Gostei muito da sua resenha, mostrou pontos que me deixou muito curiosa pela leitura, mas não sei se estou no momento certo para ler algo tão forte assim, mas vou colocar na lista de desejados, com certeza!

    Obrigada pelo carinho. Beijos :*
    Claris - Plasticodelic

    ResponderExcluir
  7. Oi Mari, tudo bem?
    Que resenha mais linda! Sério amei!
    Eu já tinha lido algumas resenhas sobre proibido e já sabia que ele abordava o tema incesto, e por ser um tema pesado eu desconsiderava totalmente a opção de realizar essa leitura. Mas depois de ler essa resenha incrível, o que eu posso fazer se não comprar assim que possível esse livro??
    Gostei muito de como você descreveu tudo e isso me instigou demais a querer realizar essa leitura.
    Proibido com toda certeza será uma de minhas próximas compras :).

    Beijo :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá Mari!
    Para ser intitulado o melhor livro da sua vida, com certeza Proibido traz algo no mínimo genial em suas páginas. Confesso nunca ter lido nenhuma resenha dele e me corrija se eu estiver errada: não é tão famoso assim. É uma pena porque encontrar uma narrativa tão forte e rica de emoção como essa me parece ser muito difícil. Deve ser o livro em que você quer que todo mundo tenha um exemplar na estante. Hahaha. Amei sua forma de descrever todo o drama e irei conferir mais algumas resenhas para talvez dar uma chance maior à história.
    Um beijo enoooorme!
    Paula, Poetisa & Literária

    ResponderExcluir
  9. Mariana!
    Quando um livro nos arrebata às lágrimas e nos faz questionar os preceitos impostos pela sociedade, mostra o quanto é bom de verdade; ainda mais quando são abordados temas fortes como abandono e incesto.
    Devo confessar que fiquei totalmente envolvida com sua resenha e com um desejo enorme de poder acompanhar a leitura desse livro.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá!

    MELHOR RESENHA DE TODAS! Eu amei demais essa resenha e uma vontade incontrolável surgiu em mim. Fiquei com uma vontade tremenda de conhecer o universo de Proibido. Só pelo seus comentários, críticas, sugestões, fotos chorando, áudios sem chão, Julianas desmaiadas e forninhos derrubados, tudo parece ser muito bom.
    Fora o seu lado crítico que ficou explícito na resenha, a parte em que conseguiu demonstrar o que sentiu através das palavras. MARI, EU AMEI <3, CHOREI, DELIREI! "Um amor proibido tão lindo, puro e sincero que não merece esse mundo doentio em que vivemos. Maya e Lochan permanecerão no meu coração enquanto ele continuar batendo." <3 AMOR PROFUNDO POR VOCÊ E ESSA FRASE.

    Beijos literais,
    Luiz Henrique (Luke)
    instanteliteral.com

    ResponderExcluir
  11. Confesso que lembro muito quando esse livro foi lançado e desejo até hoje ler. Sim, eu acho o tema polêmico, mas quero expandir novos horizontes sabe?
    Espero que eu goste, até porque a capa é linda
    Beijos

    www.gemices.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Quando se acostuma com resenhas engraçadas, uma resenha profunda , que expressa sentimentos tão profundos, te surpreende.
    Li pouco mais da metade de "Proibido. A leitura estava perfeita, mas cometi o erro de saber o final, então, preferi não terminá-lo, preferi não odiar um certo garoto de 13 anos ( missão não cumprida) e ter, na minha imaginação, a concepção de final feliz.
    Os valores são sumariamente contraditórios e modificáveis, de tal forma que, não são os subterfúgios de uma sociedade anômala que moldarão ou guiarão aquilo que penso.
    Em nenhum momento julguei esse amor impuro, assim como não julgo outros tipos de amores, reais ou fictícios, até porquê, sou responsável pelo que faço, não pelo que os outros fazem. Se cada qual se importasse apenas com seu feito e quem, de fato, é afetado, seríamos todos melhores.
    Usam tolos argumentos para dizerem o que é moralmente certo ou o que não é,no entanto, a história pode facilmente nos provar o quão esses argumentos são frágeis, modificáveis. Hoje certo, amanhã, nem tanto.
    Ainda vou terminar de ler esse livro, preciso disso, mas, após ler "Como eu era antes de você", não aguentaria ler "Proibido", não na mesma semana, meu coração não se faria em frangalhos, ele viraria pó e ,talvez, não voltasse a ser o que um dia foi.

    ResponderExcluir
  13. Nossa mariana ! Esse livro é bem dramático ,do que os livros que eu leio ,ele não tão pesado como os outros quê você postou que contém sexualidade ,esse é mais apaixonante e não contém ,coisas para menores de 14 anos ,o seu blog é muito lindo adoro suas resenhas <3

    ResponderExcluir
  14. Mari, eu já havia lido resenhas desse livro, mas nenhuma tão bem explicada quanto a sua, você conseguiu transmitir para mim o que realmente se passa na trama, eu consegui me comover apenas com a sua resenha agora imagine lendo o livro?! Já que foi um dos melhores livros que você já leu, com certeza não é pouca coisa, já adicionei o livro na minha lista como leitura obrigatória!

    bjokas!
    http://livrosseriesecitacoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Mari nem sei realmente o que escrever depois de sua resenha.
    Sabe que eu perdi uma grande oportunidade de ler este livro, mas a hora dele chegará.Tenho certeza que meu coração ficará destruído como o seu.

    Não sei porque, mas temas polêmicos me atraem de uma forma inexplicável. Espero ler o livro o quanto antes.

    Beijos
    www.amorliterario.com

    ResponderExcluir
  16. Acho que deixei claro como estava ansioso por sua opinião em relação a esse livro, em especial quando você comentou que é o melhor livro da sua vida. Pra falar a verdade, acho que não posso dizer que não sinto o mesmo. "Proibido" é simplesmente um livro como nenhum outro; um livro que acho que deveria ser obrigatório a todos; por fim, um livro que se pudesse presentearia todas as pessoas especiais.
    Assim que conclui a leitura já queria reler e só não fiz isso porque não conseguiria. Talvez ainda hoje não consiga, em especial porque acho complicado escolher palavras para descrever "Proibido" e tenho certeza que em minha resenha não consegui expressar metade do que ele merece. Sei apenas que meu comentário ficaria gigantesco e, ainda assim, não sairia do lugar. rsrs
    De qualquer forma, fico muito feliz em saber que você gostou do livro. Sua resenha ficou tão incrível quanto essa obra-prima.

    Beijos, Mari.
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
  17. Mari, já te disse que essa foi sua melhor resenha, né?! Mas preciso reforçar: essa é sua melhor resenha! Mesmo que você ache que não conseguiu expressar o que sentiu, mesmo assim, eu consegui captar o que você quis passar. A história de Proibido sempre me deixa curiosa, e eu não vejo a hora de lê-lo. A minha primeira relação com um caso de incesto foi com Game of Thrones, e confesso que isso me deu nojo. Principalmente do jeito que os produtores trataram isso. Mas depois de um episódio em que Jammie estupra Cersei (os irmãos), eu percebi que o errado não era eles se amarem, mesmo que fossem irmãos. O amor não é errado. Errado é forçar alguém a algo. Quero muito, muito mesmo, ler Proibido. E espero gostar tanto quanto você! Beijo e muito sucesso para o blog!
    http://entreeleitores.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Nossa, menina que resenha é essa!!! <3 eu já tinha ouvido falar q o livro era bom, mas não tanto assim. Agora, preciso ler esse livro urgente!!
    parabéns pela resenha!

    www.lostgirlygirl.com

    bjos

    ResponderExcluir
  19. Sua resenha me deixou curiosa em relação a esse livro, parece ser o tipo de livro que envolve completamente o leitor. Irei ler para tirar minhas conclusões...

    ResponderExcluir

Deixe sua sugestão, opinião ou crítica. Prometo lê-las com carinho. Mil beijos, Mari Siqueira.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...